A diferença entre “ocupado” e “produtivo” — Matheus de Souza

Ao começar o esboço deste texto, pensei em como ele veio num momento aplicável. Minhas duas últimas semanas tem sido bastante agitadas. Lancei meus serviços de consultoria em marketing digital, iniciei minha certificação em inbound marketing no HubSpot, apanhei do WordPress e tive que aprender o básico de HTML e CSS na construção do novo site […]

via A diferença entre “ocupado” e “produtivo” — Matheus de Souza

VENCERÁS……..EMMANUEL……Francisco Cândido Xavier.

Porque esta vida é apenas uma parada para o lanche em uma das estações…

Centro Espirita Virtual Luz e Sombra

  • Não desanimes.
  • Persiste mais um tanto.
  • Não cultives pessimismo.
  • Centraliza-te no bem a fazer.
  • Esquece as sugestões do medo destrutivo.
  • Segue adiante, mesmo varando a sombra dos próprios erros.
  • Avança ainda que seja por entre lágrimas.
  • Trabalha constantemente.
  • Edifica sempre.
  • Não consintas que o gelo do desencanto te entorpeça o coração
  • Não te impressiones à dificuldade.
  • Convence-te de que a vitória espiritual é construção para o dia-a- dia.
  • Não desistas da paciência.
  • Não creias em realizações sem esforço.
  • Silêncio para a injúria.
  • Esquecimento para o mal. Perdão  às ofensas.
  • Recorda que os agressores são doentes.
  • Não permitas que os irmãos desequilibrados te destruam o trabalho ou te apaguem a esperança.
  • Não menosprezes o dever que a consciência te impõe.
  • Se te enganaste em algum trecho do caminho, reajusta a própria visão e procura o rumo certo.
  • Não conte vantagens nem fracassos.
  • Estuda buscando aprender.
  • Não te voltes contra ninguém.
  • Não…

Ver o post original 47 mais palavras

“O caçador de borboletas” poema de Álvaro Magalhães — Peregrinacultural’s Weblog

Caçadora de borboletas Armen Vahramyan (Armênia, 1968) http://www.vahramyan.com O Caçador de borboletas Álvaro Magalhães Sorridente, ao nascer do dia, ele sai de casa com sua rede. Vai caçar borboletas, mas fica preso à frescura do rio que lhe mata a sede ou ao encanto das flores do […]

via “O caçador de borboletas” poema de Álvaro Magalhães — Peregrinacultural’s Weblog