Da cor da pele aos dreads, Tinga luta contra o preconceito e pede politização no futebol

Da cor da pele aos dreads, Tinga luta contra o preconceito e pede politização no futebol

LINDA NEGRITUDE!

Revista Vaidapé

Por Pedro Rodrigues e Paulo Motoryn

Imagens e edição por Felipe Kfouri

Paulo César Tinga foi alvo de insultos racistas diversas vezes em sua carreira. No entanto, em fevereiro deste ano, as imitações de macaco por parte da torcida do Real Garcilaso, do Peru, sempre que Tinga tocava na bola, em partida em que ele defendia o Cruzeiro na Copa Libertadores, ganharam repercussão mundial. Da presidenta Dilma Rousseff ao ministro Joaquim Barbosa, das redes sociais às mesas de boteco, muitos saíram em defesa do jogador – que também reagiu.

Logo após o episódio, ainda na saída do gramado de um estádio que só lhe oferecera cenas tristes, Tinga teve o sangue frio de brindar os repórteres esbaforidos com uma resposta que poderia soar como clichê, mas é coisa rara no universo futebolístico: “Eu queria não ganhar todos os títulos da minha carreira e ganhar o título contra o preconceito, contra…

Ver o post original 170 mais palavras

Anúncios

Série de fotos mostra a beleza da mistura de etnias dentro de famílias

QUE MARAVILHA!

Só Viagem Boa!

No Brasil, país conhecido pela mistura de etnias, não se encontra alguém que possa responder a pergunta “qual é a sua ascendência?” sem trazer três ou mais países de origem de suas famílias. Afinal, a globalização não trouxe apenas mudanças no setor econômico, mas na cultura, nas etnias e nas pessoas. A fotógrafa Cyjo, nascida na Coreia do Sul e criada nos Estados Unidos, retratou algumas famílias que trazem consigo essa rica e belíssima mistura.
O projeto, intitulado “Mixed Blood” (“sangue misturado”, em português), buscou famílias que apresentam ascendências bastante diferentes e que já não podem se dizer cidadãos de um só país, mas do mundo. Percebe-se nos cliques que a etnia e a herança genética não diz mais sobre somente um indivíduo, mas sobre a família. As fotos foram tiradas em Nova York e em Pequim, na China, entre os anos 2010 e 2013. Além dos pais e…

Ver o post original 259 mais palavras

Vacheron Constantin realiza exposição de relógios de luxo

Vacheron Constantin realiza exposição de relógios de luxo

Olha a hora….

MONDO MODA

Oferecendo uma autêntica jornada em todos os continentes, a Vacheron Constantin apresenta a exposição “Travels & Adornments”, com 40 modelos de relógios históricos – escolhidos a partir dos 1.200 que compõem a coleção particular da Manufatura – que ilustram diversos movimentos artísticos importantes.
No primeiro andar da Manufatura da Vacheron Constantin em Genebra, as vitrines são organizadas em torno de quatro universos diferentes: Oriente, Grécia, Europa e a arquitetura Skeleton do final do século XIX. Relógios de pulso e de bolso nos levam a uma redescoberta da beleza e finesse de muitas decorações do mundo. As complexas técnicas de esmaltagem, gravura, guillochage, cravação de joias e arte glyptic são dignamente representadas.
A exposição ficará em cartaz até o final de outubro de 2014.
Vacheron Constantin Travels & Adornments (1)
Índia – 1831 – Relógio de bolso em ouro amarelo. A caixa apresenta as artes da esmaltagem champlevé, gravação em linha. Já o mostrador tem Guilloché.
Vacheron Constantin Travels & Adornments (2)
Ásia…

Ver o post original 158 mais palavras

Só essa canção….?

Imagem

Nada Pra Mim

Ana Carolina

Eu!
Não vim aqui
Pra entender ou explicar
Nem pedir nada prá mim
Não quero nada prá mim…

Eu!
Vim pelo que sei
E pelo que sei
Você gosta de mim
É por isso que eu vim…

Eu não quero cantar
Pra ninguém a canção
Que eu fiz pra você
Que eu guardei pra você
Pra você não esquecer
Que eu tenho um coração
E é seu!…

Tudo mais que eu tenho
Tenho tempo de sobra
Tive você na mão
E agora
Tenho só essa canção…

Eu!
Não vim aqui
Pra entender ou explicar
Nem pedir nada prá mim
Não quero nada prá mim…

Composição: John

http://letras.mus.br/ana-carolina/44124/

 

 

É Isso Aí

Ana Carolina

É isso aí
Como a gente achou que ia ser
A vida tão simples é boa
Quase sempre

É isso aí
Os passos vão pelas ruas
Ninguém reparou na lua
A vida sempre continua

Eu não sei parar de te olhar
Eu não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não sei parar
De te olhar

É isso aí
Há quem acredite em milagres
Há quem cometa maldades
Há quem não saiba dizer a verdade

É isso aí
Um vendedor de flores
Ensinar seus filhos a escolher seus amores

Eu não sei parar de te olhar
Não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não vou parar de te olhar

É isso aí
Há quem acredite em milagres
Há quem cometa maldades
Há quem não saiba dizer a verdade

É isso aí!
Um vendedor de flores
Ensinar seus filhos a escolher seus amores

Eu não sei parar de te olhar
Eu Não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não vou parar de te olhar

 Composição: damien Rice – versão: Ana Carolina