MACHADO DE ASSIS

Imagem

Uma Criatura

Sei de uma criatura antiga e formidável,
Que a si mesma devora os membros e as entranhas,
Com a sofreguidão da fome insaciável.
Habita juntamente os vales e as montanhas;
E no mar, que se rasga, à maneira do abismo,
Espreguiça-se toda em convulsões estranhas.
Traz impresso na fronte o obscuro despotismo;
Cada olhar que despede, acerbo e mavioso,
Parece uma expansão de amor e egoísmo.
Friamente contempla o desespero e o gozo,
Gosta do colibri, como gosta do verme,
E cinge ao coração o belo e o monstruoso.
Para ela o chacal é, como a rola, inerme;
E caminha na terra imperturbável, como
Pelo vasto arealum vasto paquiderme.
Na árvore que rebenta o seu primeiro gomo
Vem a folha, que lento e lento se desdobra,
Depois a flor, depois o suspirado pomo.
Pois essa criatura está em toda a obra:
Cresta o seio da flor e corrompe-lhe o fruto,
E é nesse destruir que as suas forças dobra.
Ama de igual amor o poluto e o impoluto;
Começa e recomeça uma perpétua lida;
E sorrindo obedece ao divino estatuto.
Tu dirás que é a morte; eu direi que é a vida.

Machado de Assis

Pequena Biografia – Wikipédia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Machado_de_Assis

Joaquim Maria Machado de Assis (Rio de Janeiro21 de junho de 1839 — Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1908) foi umescritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional.2 3 4 5 6 Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário.7 8Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época.9

Nascido no Morro do LivramentoRio de Janeiro, de uma família pobre, mal estudou em escolas públicas e nunca frequentou universidade.10 Os biógrafos notam que, interessado pela boemia e pela corte, lutou para subir socialmente abastecendo-se de superioridade intelectual.11 Para isso, assumiu diversos cargos públicos, passando pelo Ministério da Agricultura, do Comércio e das Obras Públicas, e conseguindo precoce notoriedade em jornais onde publicava suas primeiras poesias e crônicas. Em sua maturidade, reunido a colegas próximos, fundou e foi o primeiro presidente unânime da Academia Brasileira de Letras.12

Sua extensa obra constitui-se de nove romances e peças teatrais, duzentos contos, cinco coletâneas de poemas e sonetos, e mais de seiscentas crônicas.13 14 Machado de Assis é considerado o introdutor do Realismo no Brasil, com a publicação deMemórias Póstumas de Brás Cubas (1881).15 16 Este romance é posto ao lado de todas suas produções posteriores, Quincas BorbaDom CasmurroEsaú e Jacó e Memorial de Aires, ortodoxamente conhecidas como pertencentes a sua segunda fase, em que se notam traços de pessimismo e ironia, embora não haja rompimento de resíduos românticos. Dessa fase, os críticos destacam que suas melhores obras são as da Trilogia Realista.1 Sua primeira fase literária é constituída de obras comoRessurreiçãoA Mão e a LuvaHelena e Iaiá Garcia, onde notam-se características herdadas do Romantismo, ou “convencionalismo”, como prefere a crítica moderna.17

Sua obra foi de fundamental importância para as escolas literárias brasileiras do século XIX e do século XX e surge nos dias de hoje como de grande interesse acadêmico e público.18 Influenciou grandes nomes das letras, como Olavo BilacLima Barreto,Drummond de AndradeJohn BarthDonald Barthelme e outros.19 Em seu tempo de vida, alcançou relativa fama e prestígio pelo Brasil,20 contudo não desfrutou de popularidade exterior na época. Hoje em dia, por sua inovação e audácia em temas precoces, é frequentemente visto como o escritor brasileiro de produção sem precedentes,21 de modo que, recentemente, seu nome e sua obra têm alcançado diversos críticos, estudiosos e admiradores do mundo inteiro. Machado de Assis é considerado um dos grandes gênios da história da literatura, ao lado de autores como DanteShakespeare e Camões.22

 

INCOMPARÁVEL!

 

 

ImagemA uma senhora que me pediu versos

Pensa em ti mesma, acharás
Melhor poesia,
Viveza, graça, alegria,
Doçura e paz.

Se já dei flores um dia,
Quando rapaz,
As que ora dou têm assaz
Melancolia.

Uma só das horas tuas
Valem um mês 
Das almas já ressequidas.

Os sóis e as luas
Creio bem que Deus os fez
Para outras vidas.

Machado de Assis

LUZ PRÓPRIA

Imagem

Círculo Vicioso

Bailando no ar, gemia inquieto vaga-lume:
– Quem me dera que fosse aquela loura estrela,
que arde no eterno azul, como uma eterna vela !
Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

– Pudesse eu copiar o transparente lume, 
que, da grega coluna á gótica janela,
contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela !
Mas a lua, fitando o sol, com azedume:

– Misera ! tivesse eu aquela enorme, aquela 
claridade imortal, que toda a luz resume !
Mas o sol, inclinando a rutila capela:

– Pesa-me esta brilhante aureola de nume… 
Enfara-me esta azul e desmedida umbela…
Porque não nasci eu um simples vaga-lume?

Machado de Assis

APENAS ELE…?

 HOMEM NA RUA

Pequeno Perfil de um Cidadão Comum

Belchior

Era um cidadão comum como esses que se vê na rua
Falava de negócios, ria, via show de mulher nua
Vivia o dia e não o sol, a noite e não a lua
Acordava sempre cedo (era um passarinho urbano)
Embarcava no metrô, o nosso metropolitano…
Era um homem de bons modos:
“Com licença; – Foi engano”
Era feito aquela gente honesta, boa e comovida
Que caminha para a morte pensando em vencer na vida
Era feito aquela gente honesta, boa e comovida
Que tem no fim da tarde a sensação
Da missão cumprida
Acreditava em Deus e em outras coisas invisíveis
Dizia sempre sim aos seus senhores infalíveis
Pois é; tendo dinheiro não há coisas impossíveis
Mas o anjo do Senhor (de quem nos fala o Livro Santo)
Desceu do céu pra uma cerveja, junto dele, no seu canto
E a morte o carregou, feito um pacote, no seu manto
Que a terra lhe seja leve

 http://letras.mus.br/belchior/44461/

Citando Gabriela Ruivo Trindade

Uma Outra Voz

Um completo estranho, o meu corpo. Às vezes parece-me que tenta falar comigo, mas não entendo patavina do que diz. Chego a acreditar que me roubaram o antigo corpo ou o deitei fora. Talvez o tenha despido, como quem arranca o pijama de manhã, e me tenha enfiado noutro. Usado, ainda por cima. Gasto, velho e com defeito.

O ventre é o meu pólo sul. Para lá não existe nada. Ou talvez devesse dizer: o ventre é uma espécie de fim do mundo. Uma falha geológica gigantesca que separasse uma península do continente e a lançasse, errante, no coração do oceano. Eu sou o que sobra desse continente desmembrado; o resto partiu, levado na corrente marítima, não sei para onde.

O resto. As pernas, os pés e o baixo-ventre; tudo o que fica abaixo do umbigo. Aliás, se não visse todos os dias as minhas pernas, pensaria que mas tinham…

Ver o post original 143 mais palavras

Da cor da pele aos dreads, Tinga luta contra o preconceito e pede politização no futebol

Da cor da pele aos dreads, Tinga luta contra o preconceito e pede politização no futebol

LINDA NEGRITUDE!

Revista Vaidapé

Por Pedro Rodrigues e Paulo Motoryn

Imagens e edição por Felipe Kfouri

Paulo César Tinga foi alvo de insultos racistas diversas vezes em sua carreira. No entanto, em fevereiro deste ano, as imitações de macaco por parte da torcida do Real Garcilaso, do Peru, sempre que Tinga tocava na bola, em partida em que ele defendia o Cruzeiro na Copa Libertadores, ganharam repercussão mundial. Da presidenta Dilma Rousseff ao ministro Joaquim Barbosa, das redes sociais às mesas de boteco, muitos saíram em defesa do jogador – que também reagiu.

Logo após o episódio, ainda na saída do gramado de um estádio que só lhe oferecera cenas tristes, Tinga teve o sangue frio de brindar os repórteres esbaforidos com uma resposta que poderia soar como clichê, mas é coisa rara no universo futebolístico: “Eu queria não ganhar todos os títulos da minha carreira e ganhar o título contra o preconceito, contra…

Ver o post original 170 mais palavras

Série de fotos mostra a beleza da mistura de etnias dentro de famílias

QUE MARAVILHA!

Só Viagem Boa!

No Brasil, país conhecido pela mistura de etnias, não se encontra alguém que possa responder a pergunta “qual é a sua ascendência?” sem trazer três ou mais países de origem de suas famílias. Afinal, a globalização não trouxe apenas mudanças no setor econômico, mas na cultura, nas etnias e nas pessoas. A fotógrafa Cyjo, nascida na Coreia do Sul e criada nos Estados Unidos, retratou algumas famílias que trazem consigo essa rica e belíssima mistura.
O projeto, intitulado “Mixed Blood” (“sangue misturado”, em português), buscou famílias que apresentam ascendências bastante diferentes e que já não podem se dizer cidadãos de um só país, mas do mundo. Percebe-se nos cliques que a etnia e a herança genética não diz mais sobre somente um indivíduo, mas sobre a família. As fotos foram tiradas em Nova York e em Pequim, na China, entre os anos 2010 e 2013. Além dos pais e…

Ver o post original 259 mais palavras

Só essa canção….?

Imagem

Nada Pra Mim

Ana Carolina

Eu!
Não vim aqui
Pra entender ou explicar
Nem pedir nada prá mim
Não quero nada prá mim…

Eu!
Vim pelo que sei
E pelo que sei
Você gosta de mim
É por isso que eu vim…

Eu não quero cantar
Pra ninguém a canção
Que eu fiz pra você
Que eu guardei pra você
Pra você não esquecer
Que eu tenho um coração
E é seu!…

Tudo mais que eu tenho
Tenho tempo de sobra
Tive você na mão
E agora
Tenho só essa canção…

Eu!
Não vim aqui
Pra entender ou explicar
Nem pedir nada prá mim
Não quero nada prá mim…

Composição: John

http://letras.mus.br/ana-carolina/44124/

 

 

É Isso Aí

Ana Carolina

É isso aí
Como a gente achou que ia ser
A vida tão simples é boa
Quase sempre

É isso aí
Os passos vão pelas ruas
Ninguém reparou na lua
A vida sempre continua

Eu não sei parar de te olhar
Eu não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não sei parar
De te olhar

É isso aí
Há quem acredite em milagres
Há quem cometa maldades
Há quem não saiba dizer a verdade

É isso aí
Um vendedor de flores
Ensinar seus filhos a escolher seus amores

Eu não sei parar de te olhar
Não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não vou parar de te olhar

É isso aí
Há quem acredite em milagres
Há quem cometa maldades
Há quem não saiba dizer a verdade

É isso aí!
Um vendedor de flores
Ensinar seus filhos a escolher seus amores

Eu não sei parar de te olhar
Eu Não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não vou parar de te olhar

 Composição: damien Rice – versão: Ana Carolina