Se eu tivesse o dom de fugir pra qualquer lugar, Ia feito um pé de vento.

flordovento

EU E VOCÊ SEMPRE

Logo, logo assim que

  • puder vou telefonar,
    Por enquanto tá doendo,
    E quando a saudade quiser me deixar cantar,
    Vão saber que andei sofrendo.
    II
    E agora longe de mim,
    Você possa enfim, ter felicidade,
    Nem que faça um tempo ruim,
    Não se sinta assim, só pela metade.
    III
    Ontem demorei pra dormir tava assim sei lá,
    Meio passional por dentro,
    Se eu tivesse o dom de fugir pra qualquer lugar,
    Ia feito um pé de vento.
    IV
    Sem pensar no que aconteceu,
    Nada nada é meu (nem meu), nem o pensamento,
    Por falar em nada que é meu,
    Encontrei o anel, que você esqueceu.
    V
    Ai foi que o barraco desabou,
    Nessa que meu barco se perdeu,
    Nele tá gravado só você e eu. (2x)
    VI
    Ontem demorei pra dormir tava assim sei lá,
    Meio passional por dentro,
    Se eu tivesse o dom de fugir pra qualquer lugar,
    Ia feito um pé de vento.
    VII
    Sem pensar no que aconteceu,
    Nada nada é meu (nem meu), nem o pensamento,
    Por falar em nada que é meu,
    Encontrei o anel, que você esqueceu.
    VIII
    Ai foi que o barraco desabou,
    Nessa que meu barco se perdeu,
    Nele tá gravado só você e eu. (5x)

  • Compositores: Jorge Aragão/Flávio Cardoso
Anúncios

GRANDE SANTO AGOSTINHO…

GENTE EM CIRCULO

Frases de Santo Agostinho

“Não vês que somos viajantes?
E tu me perguntas:
Que é viajar?
Eu respondo com uma palavra: é avançar!
Experimentais isto em ti
Que nunca te satisfaças com aquilo que és
Para que sejas um dia aquilo que ainda não és.
Avança sempre! Não fiques parado no caminho.”

“A infância que já não existe presentemente, existe no passado que já não é.”

  • “Fizeste-nos para Ti e inquieto está o nosso coração enquanto não repousar em Ti.”
  • “Mesmo que já tenha feito uma longa caminhada, sempre haverá mais um caminho a percorrer.”
  • “Necessitamos uns dos outros para sermos nós mesmos.”

” O tempo é um vestígio de eternidade”

SOLA SCRIPTURA -” Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo” – AGOSTINHO.

“Dois homens olharam através das grades da prisão;
um viu a lama, o outro as estrelas”.

Vento…,Ao Meu Amigo, Leve, O Amor!!! Te Amo…!!!!

“A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem. A indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.”

“Não procure fora, mas dentro de você, é no interior do homem que habita a verdade.”

“O Viver em Plena Felicidade não é próprio desta vida mortal. Só o será quando aparecer a imortalidade…Sem a Imortalidade não existe Felicidade.”

“Não andes averiguando quanto tens, mas o que tu és.”
“A verdadeira felicidade não consiste em ter muito, mas em contentar-se com pouco.”

….Òh Beleza tão antiga e tão nova, quão tarde Te amei…

Ter fé é acreditar naquilo que você não vê; a recompensa por essa fé é ver aquilo em que você acredita.

Compreender para crer, crer para compreender

Se vês a caridade, vês a Trindade

A felicidade é continuar desejando aquilo que possuímos.

O verdadeiro amor esta em obedecer e crer no que se ama.

Santo Agostinho

VIVER E SONHAR …SONHAR PARA VIVER.

casal bailando

SONHAR PARA VIVER

Três horas da manhã;

Uma lâmpada bruxuleante pendurada no teto era a claridade que havia.

Retalhos espalhados pelo chão.

Minha mãe sentada ao chão com um pano branco sobre as pernas.

Em cima dele um longo vestido verde todo cravejado de pedrinhas brilhantes.

Minha mãe…

Bonita mulher,

Ainda hoje.

Longos cabelos pretos.

Poderia ser sua aquela roupa que lhe roubava o sono

e o sonho.

Bordava desenhos imaginários que imitavam um caminho-sem-fim.

Numa das mãos, uma agulha fininha;

na outra, um chapeuzinho de metal,

melhor evitar qualquer mal.

Eu, ali. Pernas magrelas balançando de cima de uma mesa.

Olhos fixos nos retalhos multicolores jogados a esmo sobre o chão.

Armava e desarmava modelos,

tudo na imaginação.

Mágica,

Pois não?

Escutava, encantada, a música muda da madrugada.

Hipnotizada.

Entusiasmada.

As luzes do baile no grande salão brilhavam bem mais que as pequenas pedrinhas do vestido que minha mãe bordava à mão.

Rborboleta

HOMEM DE ATITUDE…

Ricardo enfrenta Branca e diz que ela nunca o terá de volta

Ricardo enfrenta Branca e diz que ela nunca o terá de volta

No capítulo de “Em Família”, que vai ao ar nesta sexta-feira, 14, Ricardo (Herson Capri) está com Chica (Natália do Vale) quando recebe intimação para ir à delegacia pois Branca (Angela Vieira) fez queixa na polícia dizendo que o carro do piloto é dela. Furioso, ele parte para a casa da ex-mulher e quase a atropela. Ele entrega as chaves do carro para Branca e avisa que não quer mais nada dela, apesar dele ter pago o carro. “No fundo, você não quer esse carro. O que quer mesmo, de verdade, sou eu de volta. Mas isso não tem dinheiro, nem justiça, nem injustiça, que te garanta. A mim você não terá nunca mais!”, dispara.

http://televisao.uol.com.br/

“Coisas de Manoel Carlos”

NEGRA FULÔ

Jorge de Lima


mulher negra

Essa negra fulô
Ora, se deu que chegou (isso já faz muito tempo) no bangüê dum meu avô uma negra bonitinha, chamada negra Fulô.
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
(Era a fala da Sinhá) — Vai forrar a minha cama pentear os meus cabelos, vem ajudar a tirar a minha roupa, Fulô!
Essa negra Fulô!
Essa negrinha Fulô! ficou logo pra mucama pra vigiar a Sinhá, pra engomar pro Sinhô!
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô! (Era a fala da Sinhá) vem me ajudar, ó Fulô, vem abanar o meu corpo que eu estou suada, Fulô! vem coçar minha coceira, vem me catar cafuné, vem balançar minha rede, vem me contar uma história, que eu estou com sono, Fulô!
Essa negra Fulô!
“Era um dia uma princesa que vivia num castelo que possuía um vestido com os peixinhos do mar. Entrou na perna dum pato
saiu na perna dum pinto o Rei-Sinhô me mandou que vos contasse mais cinco”.
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô! Vai botar para dormir esses meninos, Fulô! “minha mãe me penteou minha madrasta me enterrou pelos figos da figueira que o Sabiá beliscou”.
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô! (Era a fala da Sinhá Chamando a negra Fulô!) Cadê meu frasco de cheiro Que teu Sinhô me mandou? — Ah! Foi você que roubou! Ah! Foi você que roubou!
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
O Sinhô foi ver a negra levar couro do feitor. A negra tirou a roupa, O Sinhô disse: Fulô! (A vista se escureceu que nem a negra Fulô).
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô! Cadê meu lenço de rendas, Cadê meu cinto, meu broche, Cadê o meu terço de ouro que teu Sinhô me mandou? Ah! foi você que roubou!
Ah! foi você que roubou!
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
O Sinhô foi açoitar sozinho a negra Fulô. A negra tirou a saia e tirou o cabeção, de dentro dêle pulou nuinha a negra Fulô.
Essa negra Fulô! Essa negra Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô! Cadê, cadê teu Sinhô que Nosso Senhor me mandou? Ah! Foi você que roubou, foi você, negra fulô?Essa negra Fulô!

► 6:05► 6:05