Estranha coisa esta, a poesia — Fernando Namora

LINDAS PALAVRAS…..IMAGENS MARAVILHOSAS….COMO LETRA E MELODIA DE UMA LINDA MÚSICA…

vicio da poesia

kadar Bela  (1877-1955) figures in a square watercolor on cardboardA

Estranha coisa esta, a poesia,

que vai entornando mágoa nas horas

como um orvalho morno escorrendo dos vidros

numa tarde incorpórea…

A obra em prosa de Fernando Namora (1919-1989) é um exemplo lapidar do efémero da fama e da volubilidade do gosto das multidões. Escritor de best-sellers, vendendo de cada obra aos milhares de exemplares, esgotando edições sucessivas, repousa hoje no mais absoluto esquecimento.

Tendo começado por publicar três livros de poesia (1938, 1940, 1941), reuniu uma escolha desses poemas com alguns inéditos num único volume — As Frias Madrugadas— e só cerca de trinta anos volvidos (Marketing, 1969) voltou a publicar novos poemas.

Esta obra poética permaneceu na sombra do sucesso da prosa. Folheio-a hoje e encontro alguns poemas que vale a pena conhecer.

 

Em inicio de percurso a desilusão com as mulheres em A outra canção perdida, embora com a porta aberta à esperança:

Apenas…

Ver o post original 621 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s