PRIMEIROS VERSOS

Urubu e a vitória régia… quantas vezes recitei esses versos em minha infância…

Crônicas e Reflexões - PESSOA

Aprendi a ler cedo, antes mesmo de ir à escola. Não lembro como aconteceu; meus pais contam que um belo dia eu sentei no chão e comecei a ler as manchetes do jornal que estava por ali. Acredito que eles tenham ficado cheios de planos e imaginado estar diante de uma pequena sumidade. Os anos seguintes se encarregaram, porém, de colocar os pingos nos is, pois tamanha exuberância jamais se repetiu, e assim, a vida seguiu em frente sem que eu os oferendasse com nenhuma outra manifestação excepcional.

Fato é que, igualmente cedo, me afeiçoei às letras, e com um incentivo de minha mãe aqui, outro dos vizinhos acolá, por volta dos seis anos de idade eu já lamentava a saudade da infância, em cima de um tamborete, nas palavras de Casimiro de Abreu:

‘Oh, que saudades que eu tenho
da aurora da minha vida
Da minha infância querida
que os anos não trazem mais.

Ver o post original 1.248 mais palavras

Anúncios

3 pensamentos sobre “PRIMEIROS VERSOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s